Coinbase partilha os geodados dos clientes com a alfândega dos EUA

Última Actualização: 30 Junho 2022

A Coinbase fornece geodados para a Immigration & Customs Enforcement (ICE). Este serviço de imigração e alfândega pode seguir as transações de Bitcoin que tenham tido lugar através da plataforma Coinbase. Transações envolvendo Ether e a stable coin Tether também podem ser rastreadas, relata The Intercept. Este meio de comunicação está a basear as suas conclusões em documentos confidenciais partilhados com eles através do privacy watchdog Tech Inquiry.

Infelizmente, Coinbase não oferece aos seus clientes uma opção para utilizar os seus dados, o ICE pode utilizar todos os dados dos clientes sem permissão.

Coinbase Tracer

A bolsa americana é um monstro com várias cabeças. Não só vendem moedas criptográficas, como também vendem software de rastreio a governos e empresas sob o nome de Coinbase Tracer. O ICE tem uma licença deste software especializado por $29.000, o que ajuda a ligar dados pessoais a transações na blockchain de Bitcoin. A unidade Homeland Security Investigations adquiriu também o software Coinbase Tracer por $1,36 milhões.

As transações Bitcoin são pseudónimas na rede, mas dentro da Coinbase os clientes são obrigados a identificar-se através de um procedimento KYC. Isto torna possível ligar determinadas transações a pessoas.

De acordo com Jack Poulson, diretor da privacy watchdog Tech Inquiry, o ICE tem acesso a uma vasta gama de funções forenses através do pacote de software Coinbase Tracer. Trata-se de uma ferramenta de recolha de informações da empresa (anteriormente conhecida como Coinbase Analytics).

O Coinbase Tracer permite aos clientes, tanto do governo como do sector privado, acompanhar as transações através da blockchain. O software ajuda a detetar e selecionar transações ‘suspeitas’. Aos olhos da Coinbase, eles não estão a fazer nada de errado. Eles ajudam os governos e outras empresas a combater o branqueamento de capitais e o financiamento do terrorismo.

Dentro do contrato que o ICE celebrou com a Coinbase, são possíveis as chamadas “Análises de ligações Multi-hop para moedas criptográficas de entrada e de saída”. Também é possível a “desmistura” de transações, por exemplo de transações que tenham passado por um misturador. Mas também é possível a análise retroativa de “dados históricos de geo-referenciação”. Um ponto em evidência: o ICE não solicitou aos clientes da Coinbase autorização para analisar e utilizar os seus dados.

Segundo a Coinbase, eles utilizam fontes públicas e os dados dos clientes não são utilizados.

Nome grande

A Coinbase está listada no Nasdaq e é considerada a maior troca de Bitcoin e cripto da América. Partes como a MicroStrategy compram a sua Bitcoin através da Coinbase Prime, o braço de corretagem da empresa.

Author

  • Ivan came across the topic of cryptocurrencies in early 2016 and, as an author and enthusiast, has been intensively involved with the topics of cryptocurrencies, blockchain and STOs ever since.

error: Alert: Content is protected !!