Activistas assumem criticas criptocríticas

Última Actualização: 9 Junho 2022

Um grupo de 21 activistas dos direitos humanos está a defender o bitcoin. Através de uma carta ao Congresso dos EUA, o grupo quer mostrar que o criptograma pode ajudar em todo o mundo. De acordo com os activistas, dezenas de milhões dependem do bitcoin e do stablecoins para acederem aos instrumentos financeiros.

Quem são estes activistas?

Este grupo, composto por iniciadores de 20 países, enviou uma carta ao Congresso dos EUA. Com isto, os activistas querem criar uma política de criptografia responsável. Eles pensam que a criptografia pode promover a democracia e a liberdade para dezenas de milhões.

É impressionante ver de onde vêm estas pessoas. Eles são principalmente países que não são exactamente estáveis economicamente, ou que experimentam outros grandes problemas. Alguns exemplos são a Ucrânia, a Rússia, a Venezuela e também a Coreia do Norte. O activista deste último país é um escritor conhecido que conseguiu fugir do regime norte-coreano; Yeonmi Park. Ela também falou na conferência Bitcoin 2022 em Miami.

Os responsáveis políticos não podem ignorá-lo

Quanto ao resto, não há pequenos entre eles. Um dos signatários é Alex Gladstein. Ele é o Chief Strategy Officer da Human Rights Foundation e tem vindo a trabalhar na inclusão financeira através do bitcoin em países do terceiro mundo há já algum tempo. Ele também tweeted sobre esta carta para o Congresso dos EUA:

“Hoje junto-me a 20 defensores dos direitos de 20 países pedindo ao Congresso para considerar o impacto humanitário do Bitcoin”, tweetou Alex Gladstein. “Os tecnologistas ocidentais podem ignorar o papel do Bitcoin em ajudar dezenas de milhões sob a tirania ou economias falhadas, mas os decisores políticos não deveriam”.

Uma resposta ao anti-crypto

Esta ‘carta pró-cripto’ é uma resposta a uma variante ‘anti-crypto’ enviada ao Congresso na semana passada. Os principais signatários são críticos criptográficos bem conhecidos e autores com altos rendimentos em países democráticos, relata a CoinTelegraph. Este é um grande contraste com a carta actual:

“Escrevemos para apelar a uma abordagem imparcial e empática aos instrumentos monetários que cada vez mais desempenham um papel na vida das pessoas que enfrentam a opressão política e as dificuldades económicas”, lê-se na carta pró-cripto enviada ao Congresso.

O grupo de activistas dos direitos humanos também diz ter fé no bitcoin e no stablecoins na “luta pela liberdade e democracia”. Eles também acrescentam que muitas pessoas – que usam estas moedas digitais – vivem em regimes autoritários ou em economias voláteis.

“O bitcoin e o stablecoins oferecem às pessoas em países como a Nigéria, Turquia ou Argentina, onde as moedas locais colapsam, se desfazem ou são cortadas do mundo exterior, acesso ilimitado à economia global”, diz a carta.

Author

  • Florian Feidenfelder is a technical analyst with many years trading experience in the stock exchange and crypto markets. He has broad experience in forex trading, coaching, and funds management.

error: Alert: Content is protected !!