Bitcoin pode tornar-se moeda global, através de Miami, Nova Iorque e Dakota do Norte

Última Actualização: 6 Junho 2022

O presidente da câmara de Miami foi um dos participantes no Fórum Económico Mundial deste ano em Davos, na Suíça. Ele vê o seu papel como evangelista ao ensinar outros participantes sobre Bitcoin. Além disso, neste artigo olhamos não só para Miami, mas também para os estados americanos de Nova Iorque e Dakota do Norte.

O Presidente da Câmara de Miami, Francis Suarez, foi entrevistado pela CoinTelegraph sobre o seu papel no WEF 2022.

Bitcoin vai mudar muitas vidas

Ele explicou que está a tentar fazer as pessoas compreenderem que esta tecnologia vai afectar “a vida de muitos”. Suarez também discutiu o potencial do bitcoin como moeda global. O presidente da câmara salientou que o Bitcoin tem várias oportunidades para democratizar e até perturbar certos regimes. “Bitcoin cria confiança e é nisso que os sistemas monetários se devem basear”, disse ele.

A confiança a que ele se refere não é sobre o preço da Bitcoin, mas que a rede chega a um consenso sobre as transacções e saldos, sem que qualquer terceira parte central tenha qualquer controlo sobre ela. Este não é o caso do nosso actual sistema de fiat. Um exemplo disto é o sistema global SWIFT.

Não há SWIFT dentro de cinco anos

Existem algumas superpotências que podem escolher barrar países inteiros desta rede de pagamento internacional. O Irão, por exemplo, já não tem acesso e é praticamente impossível para os russos efectuarem transacções internacionais.

Suarez pensa que a SWIFT pode deixar de existir dentro de cinco anos, partilhando a mesma opinião que Michael Miebach, o CEO da empresa de cartões de crédito Mastercard. Portanto, o presidente da câmara pensa que é importante que grandes empresas de pagamento como a Mastercard se envolvam em moedas criptográficas.

Estávamos a falar de bitcoin como uma moeda global. Isto é possível graças aos nós que chegam a consenso e aos mineiros que mantêm a rede segura. A exploração mineira tem sido criticada por muitos quadrantes por ser intensiva em energia e por isso má para o ambiente.

Nova Iorque proíbe a mineração de bitcoin

Foi aprovado um projecto de lei no estado de Nova Iorque que proibirá a extracção de provas de trabalho durante os próximos dois anos, desde que se baseie em fontes de energia não sustentáveis. Isto é efectivamente uma proibição da mineração de bitcoin. A lei só precisa de ser aprovada ou reprovada por Kathy Hochuk, o governador do estado.

Os ambientalistas elogiam esta nova lei porque deve reduzir as emissões de C02, mas a indústria criptográfica pensa que Nova Iorque está a disparar sobre si própria.

“Se assinada, esta legislação terá um efeito arrepiante significativo na criptominación no estado e ameaça enviar centenas de empregos bem pagos para os estados vizinhos”, disse Kristin Smith, do grupo de lobby da Blockchain Association. “Mais importante ainda, coloca Nova Iorque na posição única de ser o único estado a impor uma moratória numa altura em que outros estados estão a estudar a indústria ou a acolher activamente o desenvolvimento económico que ela cria”.

North Dakota welcomes bitcoin mining

Um desses outros estados é o Dakota do Norte. A Bitzera é uma empresa mineira e eles anunciaram, juntamente com os políticos locais, que a sua sede se está a mudar para o Dakota do Norte. Isto deverá criar 20 empregos a tempo inteiro. Um detalhe saliente é que a Bitzero se autografou como uma “empresa mineira de Bitcoin 100% renovável movida por uma fonte de energia verde, inovação disruptiva e tecnologia”.

A notícia foi anunciada a 1 de Junho num comunicado de imprensa conjunto de Bitzero e do governador do Dakota do Norte.

O CEO da Bitzero explicou mais detalhadamente os planos da empresa, dizendo que planeiam construir 200 megawatts de centros de dados no estado nos próximos dois a três anos “com o objectivo específico de cumprir os requisitos de dados do estado”.

Serão investidos até 500 milhões de dólares para financiar os centros de dados. Além disso, a empresa irá assegurar que até $500 milhões sejam investidos para trazer um projecto de tecnologia de baterias de grafeno para o Dakota do Norte.

Author

  • Steven Gray is a journalist with a heart for crypto. He filters the wide range of news and ensures that it reaches the public in a comprehensible way. He often does this with the support of technical analysis.

error: Alert: Content is protected !!