Nações Unidas: “Os países em desenvolvimento devem proibir os anúncios de Bitcoin e regular as carteiras”

Última Actualização: 14 Julho 2022

As Nações Unidas acreditam que o criptograma tem o potencial de minar a soberania monetária dos países em desenvolvimento. Por isso, a organização recomenda regras estritas para refrear a sua utilização. Num documento intitulado “Tudo o que reluz não é ouro”, a ONU escreve que as desvantagens da criptografia superam os potenciais benefícios. Isto aplica-se tanto a indivíduos como a instituições financeiras.

Registo obrigatório de todas as carteiras criptográficas

No documento, as Nações Unidas expressam particular preocupação com os riscos e custos sociais associados aos criptogramas. Penelope Hawkings, uma representante das Nações Unidas, indica à Decrypt que este conselho se aplica a todos os produtos financeiros com um factor de risco elevado.

De acordo com as Nações Unidas, as criptos têm o potencial de minar a estabilidade financeira dos países em desenvolvimento. Além disso, a organização vê perigos no campo da criminalidade e a criptografia limita as possibilidades dos governos de controlarem os fluxos de capital. Em resumo, as Nações Unidas aconselham a tornar o uso da criptografia menos atrativo.

Isto pode ser feito, por exemplo, impondo impostos adicionais sobre as transações e tornando obrigatório o registo das carteiras. Além disso, de acordo com as Nações Unidas, seria bom proibir as instituições financeiras de possuírem eles próprios criptomoedas. E também impedi-las de oferecerem serviços criptográficos aos seus clientes.

Banir anúncios de Bitcoin

Isto não é o fim para as Nações Unidas. O poderoso organismo também está a aconselhar os países em desenvolvimento a banirem os anúncios para as empresas criptográficas. Tanto em público como nas redes sociais. De acordo com as Nações Unidas, esta é uma “necessidade no contexto da proteção do consumidor em países onde a literacia financeira é baixa”. De acordo com as análises, permitir publicidade descontrolada pode levar a “perdas significativas”.

Rohan Grey da Universidade Willamette Faculdade de Direito, contribuiu para a opinião da ONU como consultor. De acordo com Grey, a falta de legislação é uma das principais razões para a dor sentida pelos consumidores em alguns casos. “O ecossistema ainda não está maduro. Permitir que a indústria faça as suas próprias coisas neste momento é semelhante a trazer um novo medicamento para o mercado que ainda não foi testado em nada”, disse Grey à Decrypt.

Desenvolver os seus próprios sistemas de pagamento

O conselho final da ONU aos países em desenvolvimento é que desenvolvam os seus próprios sistemas de pagamento. Estes devem então agir como um bem público, tal como a infra-estrutura física que os governos constroem. Também aconselha os países em desenvolvimento a investigarem as possibilidades de uma Moeda Digital do Banco Central (CBDC).

Os CBDCs são uma forma digital de moeda fiduciária emitida pelos bancos centrais e governos. Uma espécie de contrapartida digital da Bitcoin. Enquanto o dinheiro do banco central digital cria um sistema financeiro no qual os governos têm o controlo final, a Bitcoin é praticamente o oposto. A Bitcoin é, afinal, uma moeda digital sobre a qual ninguém e, ao mesmo tempo, todos têm o derradeiro controlo.

Grey vê o advento do dinheiro do banco central digital. “Com um CBDC, não tem de se preocupar que a moeda perca subitamente o seu valor, como é o caso das stablecoins. Um dólar do governo pode sempre ser trocado por um dólar no governo”, diz Grey. Não é claro até que ponto isto contribui para a preservação do poder de compra.

Author

  • Florian Feidenfelder is a technical analyst with many years trading experience in the stock exchange and crypto markets. He has broad experience in forex trading, coaching, and funds management.

error: Alert: Content is protected !!